Artigos Cientificos

TEM ANGOLA NA UMBANDA? OS USOS DA ÁFRICA

PELA UMBANDA OMOLOCÔ HAS ANGOLA IN THE UMBANDA? THE USES OF AFRICA BY THE UMBANDA OMOLOCO

Joana Bahia - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

joana.bahia@gmail.com

Farlen Nogueira - Universidade do Estado do Rio de Janeiro

farlennogueira@gmail.com

RESUMO

O presente trabalho analisa a disputa de narrativas em torno da construção do campo religioso umbandista entre os anos 1940 e 1950. Avaliamos a disputa entre distintos segmentos da religião a partir da trajetória de Tancredo da Silva Pinto e de sua defesa da umbanda omolocô. Grupos que defendiam uma umbanda mais espírita, e portanto mais sincretizada com elementos que a tornassem mais brasileira, e outros que buscavam uma maior proximidade com a África, e portanto com o candomblé. Assim, ao buscar apresentar uma origem no continente africano para a umbanda, Tancredo estaria construindo uma identidade africana para a religião, dialogando com a ideia de diáspora africana.

Palavras-chaves: umbanda omolocô; Tancredo da Silva Pinto; renascimento negro; diáspora.

O VALE DO PARAÍBA É DO SAMBA E DA MACUMBA, MALUNGO! A TRAJETÓRIA DE TATA TI INKICE NO BRASIL DO PÓS-ABOLIÇÃO. IN: PESQUISA & EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, v. 1, p. S/P, 2021.

Autot AMORIM, Diego Uchoa.

No presente trabalho vamos apresentar os primeiros passos da pesquisa Tata Ti Inkice: O General da Banda no Brasil do Pós-Abolição ligada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO-Niterói). O objetivo geral do projeto é analisar a trajetória de Tancredo da Silva Pinto (1904-1979), nascido na cidade de Cantagalo, Noroeste do estado do Rio de Janeiro, conhecido como Tata Ti Inkice, Tata Tancredo ou Papa Negro da Umbanda. Compositor de música popular, sacerdote religioso, sambista, articulador político e colunista de grandes periódicos entre as décadas de 1940 e 1970. Sua caminhada ligada às raízes da formação histórica, social e cultural

do mundo do samba urbano carioca, além de composições importantes dentro do gênero que marcaram estilos inéditos como o samba-de-breque, e atrelada ao universo das religiões mediúnicas, principalmente a Umbanda, marcou a história do país. Durante sua vida no século XX do Brasil republicano, suas movimentações comunitárias, relações de identidade, articulações políticas, atuações institucionais, vivências religiosas e produções culturais, enfim, serão alvo das nossas análises e reflexões buscando mais informações e possibilidades de entendimento da trajetória de Tancredo da Silva Pinto sob às luzes das dinâmicas da modernidade ocidental marcada pelas experiências dadiáspora africana e do Atlântico Negro no Pós-abolição.

PALAVRAS-CHAVE: Tancredo da Silva Pinto, Pós-Abolição, História da Umbanda, História Social do Samba..